Por que o transporte ferroviário é tão precário no Brasil?
Porque somos um país de estradas. Há mais de meio século, elas têm privilégios políticos e econômicos.
Mas isso pode mudar
 
por Silvia Lisboa  
 
O País se afastou dos trilhos nos anos 1950, com o plano de crescimento rápido do presidente Juscelino Kubitschek, que priorizou rodovias. A construção de ferrovias era lenta para fazer o Brasil crescer "50 anos em cinco", como ele queria. "Em seis meses, você faz 500 quilômetros de estrada de terra. Isso em ferrovia leva três anos", diz Fabiano Pompermayer, técnico de planejamento e pesquisas do Ipea. Além disso, o lobby das rodovias foi forte. Desde a era JK, os investimentos e subsídios no setor são grandes, não só para abrir estradas como para atrair montadoras. Outro responsável foi o café, em baixa desde os anos 1930. Ele era transportado principalmente por trens, então várias empresas férreas faliram com a falta de trabalho. Em 1957, o governo estatizou as companhias ferroviárias. Desde então, o foco é o transporte de carga. Por isso, em 2012, os trens carregam só 3% dos passageiros do País (isso porque incluímos o metrô na conta). Mas, na próxima década, o cenário deve mudar. Veja.
 
Ascensão dos trens?
Brasil quer se tornar, enfim, um país de ferrovias
 
De volta aos trilhos
Há 60 projetos em estudo ou em andamento no País, somando R$ 100 bilhões em investimento. O mais ousado e famoso é o trem-bala, que ligará Campinas ao Rio. Só o Estado de São Paulo quer dobrar o número de passageiros: de 7,2 milhões em 2011 para 14,7 milhões em 2020.
 
Maior capacidade
Trens são imbatíveis em carregar muita gente de uma vez. Uma única linha de metrô transporta até 60 mil passageiros por hora, enquanto um corredor de ônibus leva 6,7 mil. No Brasil, metrôs e trens tiram das ruas 14 mil ônibus e 1 milhão de carros ao dia. Com mais linhas, o efeito se alastraria para as rodovias.
 
Menos poluição
Um trem lança na atmosfera dez vezes menos gás carbônico por tonelada do que um caminhão. Isso porque, no Brasil, trens usam uma mistura que tem 20% de biodiesel, enquanto caminhões costumam usar outra com 5%. Além disso, caminhão vira sucata cedo. Sua vida útil é de dez anos em média. A do trem, 30 anos.
 
Extensão aquática - Rios e lagos pouco explorados
O Brasil tem 29 mil quilômetros de rios e lagos naturalmente disponíveis para navegação, mas só usa 13 mil. Segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários, o Brasil é provavelmente o país que tem a maior extensão de malha hidroviária a se expandir no mundo. Os planos de expansão do governo são bem menos ousados que os ferroviários, mas apenas com melhorias nas condições de navegação nas vias já existentes é possível duplicar a carga transportada, que hoje fica em torno de 12%.
 
Fontes Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos; Associação Nacional de Transportes Aquaviários; Associação Nacional de Transportes Terrestres; Fabiano Pompermayer, técnico de planejamento e pesquisas do Ipea; Telmo Polito, professor da Escola Politécnica da USP; Vicente Abate, presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária.
 
Extraído da Revista Supreinteressante. Publicado originalmente em 2013. 


Postado em 17/04/2015


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé