A adolescência está mais complexa, aponta a psicóloga Rosely Sayão
Entender o momento pelo qual eles passam, repleto de descobertas e contradições, é o primeiro passo 
 
Estou sempre em contato com pais, avós e educadores formais e recebo deles, pessoalmente ou pela internet, muitas questões, dúvidas e angústias que eles vivem em relação aos filhos, netos e alunos. Nos últimos dias, o tema que predominou foram os adolescentes. Vamos, então, refletir sobre essa fase do desenvolvimento.
 
Há até pouco tempo, sabíamos com clareza conceituar a adolescência: um período de transformações pessoais, sociais, emocionais, psicológicas e, principalmente, de concepção a respeito de si mesmo e da vida, que resultava em mudanças de comportamento. A puberdade –as alterações físicas dessa etapa– antecedia a adolescência e a precipitava.
 
E agora? Primeiramente, essa etapa da vida foi prolongada: não termina mais perto dos 20 anos, com a entrada na maturidade adulta. Hoje, podemos considerar a adolescência até mais ou menos os 25 anos, e olhe lá! Seu início também foi antecipado: não depende mais da puberdade, pois pode se iniciar bem antes.
 
Outra questão importante foi a mudança na busca da privacidade do adolescente. Quem não se lembra dos melhores amigos dessa época da vida, ou dos diários, escritos –e escondidos– com dedicação? Pois esses foram recursos que os adolescentes já usaram para construir sua privacidade em relação à família.
 
Hoje, a situação ficou complexa: com a internet, os diários –com fotos e tudo o mais– passaram a ser expostos publicamente, não mais compartilhados apenas com a(o) melhor amiga(o) ou escondidos. E os pais? Ah! Eles fazem de tudo para que os filhos contem a eles todos os detalhes da sua vida.
 
Essas mudanças significam mais trabalho para os pais e mais dificuldades para os adolescentes. Hoje, os pais querem controlar os filhos, querem desejar por eles, querem dar a eles felicidade, etc. Dureza, porque tudo isso resulta em imaturidade, fragilidade, baixa resiliência.
 
Os adolescentes precisam de tutela mais discreta, que não se transforme em abandono; de espaço de experimentação para descobrir como querem e como podem ser, sem que sejam julgados ou penalizados por isso. 
 
Os adolescentes precisam muito de nossa companhia, de nosso apoio crítico, de nossa compreensão, de nossa amorosidade adulta, de nosso desapego em relação a eles, de nosso acolhimento.
 
Eles querem conflitar com os pais e professores? Vamos bancar esses conflitos com seriedade e argumentação, sem espanto. Poucos adolescentes defendem a pena de morte, por exemplo, por convicção. É, na maioria das vezes, por oposição. Nem por isso devemos tratar as questões que eles trazem como bobagens.
 
Eles ultrapassam todos os limites possíveis? Vamos repactuar a relação com eles, verificar como demos oportunidade para que tenham feito o que fizeram. Sempre há essa possibilidade! Mas vamos, principalmente, entender essa crise como um pedido de socorro, que eles têm tanta dificuldade em simbolizar.
 
Essa é a companhia que eles precisam, e que podemos oferecer!
 
ROSELY SAYÃO é psicóloga e autora de "Como Educar Meu Filho?" (Publifolha). 
 
Fonte: Publicado na Folha de São Paulo, 14 de Junho de 2016. 


Postado em 16/06/2016


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé