10 dicas para estimular o interesse por livros desde bebê
É importante a criança viver a experiência da leitura como um todo
 
por CANAL MDM
 
Quem me conhece bem sabe como a leitura é importante na minha vida. Mais que um hobby, sempre foi uma terapia, e eu não passava nem um único dia da minha vida sem ler algumas páginas de um bom livro. 
 
Por conta disso, desse amor que tenho por livros, e também por saber como eles são importantes na construção da identidade das crianças, eu sempre fiz questão de estimular no Léo o gosto pela leitura. Desde que ele estava na minha barriga, eu lia para ele, e agora que está aqui do ladinho de fora, tenho tentado algumas técnicas simplesinhas para que os livros já comecem a fazer parte da sua rotina.
 
Pensando sobre isso esse dias, me veio em mente que poderia ser útil para outras mamães saberem o que eu tenho feito aqui em casa, por intuição ou informação, para estimular o gosto pela leitura no meu pequeno.
 
Dá para garantir que tudo isso vai dar certo, que nossos filhos vão amar livros? Claro que não dá. Mas, pelo menos, de certa forma, já estaremos aproximando-os do mundo da literatura e aí, decidir se vão querer continuar nele ou não, caberá a eles.
 
Abaixo, trago algumas dicas inspiradas em informações que colhi em sites, blogs, livros e revistas e também no que eu tenho descoberto através de tentativa e erro. Espero que gostem e que seja útil.
 
1. Leia desde sempre! Isso mesmo, não precisa esperar o bebê nascer para já ler e contar historinhas para ele. A partir do quinto mês de gestação o bebê já consegue ouvir e será muito legal se você ler uma historinha para ele de vez em quando. Quando eu estava grávida, eu comprei o livro 365 Histórias para Sonhar e quase toda noite eu lia algumas para o Léo. Ele, com certeza, não entendeu nada, mas só dele ouvir a minha voz, de sentir o tom carinhoso das minhas palavras (como gosto de ler, fazia isso com prazer), já valeu a pena. E assim que o bebê tiver nascido, continue com esse hábito. Mesmo que ele não entenda o que você diz, só de vê-la com um livro em mãos e ouvir a sua voz, já fará uma associação legal com a leitura.
 
2. Depois que o bebê estiver maiorzinho e já segurar objetos leves, dê para ele livrinhos de tecido. Se tiverem som, textura, apliques, melhor ainda. A história em si não interessa muito, o que importa é ter imagens, cores e detalhes que possam atrair a atenção do bebê. Aos poucos, ele irá manuseá-lo com mais aptidão e quando você menos esperar já terá aprendido a virar as páginas. É tão fofo! Um dos brinquedinhos favoritos do Léo sempre foi um livrinho de tecido do Corinthians. O legal desse brinquedo é que ele agradava papai e mamãe. Mamãe por ser um livro e papai por ser do timão.
 
3. Na hora do banho, também use e abuse de livros (para esse fim mesmo, é claro!). O Léo tem um que conta a história de uns patinhos e outro que conta a história de um golfinho que perdeu a mamãe. Durante o banho eu leio as historinhas para ele e ele se diverte puxando, apertando, mordendo e jogando na água os livrinhos. Tem horas que ele mesmo pega o livro e me dá, esperando que eu conte o que aquele monte de figuras representa.
 
4. Quando o bebê já estiver maiorzinho, segurando objetos mais pesados, já é possível dar livros de papel ou de outro material rígido para ele manusear. Na verdade, o ideal é que sejam livros de um material mais rígido mesmo, porque como o bebê até um ano e pouquinho ainda está numa fase oral bem forte, colocando tudo na boca, a sua primeira reação ao ver um livro será levá-lo à boca, e aí não é muito seguro. Mas tem uns livrinhos de capa e páginas bem duras, ou até mesmo de borracha ou plastificados, que resolvem bem esse problema.
 
5. Você vai ver que, por mais que você tente, o bebê não vai quase nunca se interessar pelas histórias que você está lendo. São alguns segundos olhando para o livro, prestando atenção nas suas palavras, e logo depois ele vai tentar colocar o livro na boca ou fugir para outra atividade. Por isso, nessa fase de pouca atenção dos pequenos, invista em livros com pouco texto e muita imagem. O que importa é ele ir vendo os objetos, animais, pessoas, formas, figuras etc… e você ir nomeando cada um deles para ele aprender como se chamam.
 
6. Depois que eles estiverem um pouco maiores e já prestarem atenção na história, dá para você partir para livros com um pouquinho mais de conteúdo. Mas aí, segue o conselho anterior: quanto mais imagem, melhor. E o ideal é que as histórias também sejam bem curtinhas, já que o tempo de interesse do bebê em cada uma das atividades que ele desenvolve costuma ser de cinco minutos. Depois disso, eles vão querer mudar o foco e aí não adianta você insistir na leitura.
 
7. Revistas também servem para estimular a leitura. Na verdade, tudo serve. Até encarte de supermercado. Desde que tenham figuras coloridas, que tenham a ver com o munda da criança (objetos da casa, pessoas, brinquedos, animais….), está valendo. Eu costumo muito usar revistas para brincar com o Léo. Eu vou folheando, mostro as coisas e dou nome a elas e depois peço para ele mostrar com o dedinho onde está aquela coisa que ele já aprendeu o nome. É uma delícia vê-lo aprendendo e respondendo apontando o dedinho. Sem contar que revista os bebês podem rasgar e amassar sem problemas e aí eles adoram!
 
8. Lembre-se: para bebês, tudo é uma brincadeira, então, não encare isso como uma tarefa séria. Se o seu pequeno não estiver a fim de mexer com livros naquele momento, não insista. Se você pegou um livro e ele correu para a bola (super comum isso aqui em casa), entre na brincadeira dele. Estimule a interação com livros quando ele estiver disposto a se envolver com eles. E lembre-se: cinco minutinhos costuma ser o tempo limite de interesse dos bebês.
 
9. Não tenha medo de seu pequeno estragar os livros que você dá. Você pegou um livro para ler para ele, mas ele tomou da sua mão e está dobrando e amassando? Tudo bem. Essa é a forma que ele encontrou de interagir com o objeto nesse momento. Por isso, se você tiver dó de estragar um ou outro livro, deixe esses guardados até que o filhote esteja maiorzinho. Enquanto ele ainda não entende bem o propósito de um livro, leia ou dê para ele brincar aqueles que você não tem uma apego muito grande, pois o risco dele terminar “estrupiado” é enorme. Lembre-se sempre: é importante a criança viver a experiência da leitura como um todo, o que, no caso de bebês inclui pegar, mexer, apertar, morder e por aí vai…
 
10. Deixe os livros sempre à vista e não guardados. E deixe seu bebê vê-la lendo. Essa é uma forma simples e bem eficiente de estimular a leitura no futuro!
 
Espero que tenham gostado das dicas e que sejam úteis. Ah! E mais uma coisa… Estimular no bebê o interesse por livros nem sempre é fácil. É comum eles só quererem morder e manusear e depois, quando maiorzinhos, prestarem atenção só por poucos instantes e aí já mudarem o foco. Mas é assim mesmo. Aqui em casa também é bem assim. Nesses casos, o ideal é insistir, pouco a pouco, dia após dia. Sem, é claro, isso se tornar chato para o bebê.
 


Postado em 09/09/2017


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé