Telas e crianças: conheça os mitos e riscos desta exposição
Tablet, celular, computador. O mercado oferece todos esses aparelhos em versões "infantis".
Como os pais podem mediar essa relação?
 
por Larissa Domingos
 
Telas e crianças. Um assunto que aparece com muita frequência no Lunetas e sempre gera especulações, dúvidas e, às vezes, até polêmicas. Em um mundo tão conectado e tecnológico, é praticamente impossível que as crianças não tenham acesso, em algum momento, à “telinha” de computadores, televisões, tablets, telefones celulares e outros aparelhos eletrônicos.
 
Porém, até que ponto esse contato é saudável para a saúde e o desenvolvimento infantil? Ele é importante e produtivo, mas também pode causar danos. Ele faz parte do cotidiano familiar, mas deve ser controlado. Afinal, quais orientações os pais devem seguir em relação a este mundo? Existem regras a serem seguidas? E como usar a tecnologia a favor das crianças?
 
Segundo a pesquisa TIC Kids Online Brasil 2015, conduzida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), oito em cada dez crianças e adolescentes entre nove e 17 anos usam a internet com frequência, o que representa 23,7 milhões de jovens em todo o país. Este número teve um aumento expressivo em um ano, já que em 2014, 21% dos entrevistados disseram ter acesso a rede mais de uma vez por dia e, em 2015, essa proporção atingiu 68%.
 
A 4ª edição da pesquisa TIC Kids Online Brasil – que entrevistou 3.068 crianças e adolescentes entre nove e 17 anos em 350 cidades de todas as regiões do país – ainda constatou que o uso de equipamentos móveis para acessar a internet se manteve significativo entre o público jovem. Em 2014, 82% revelaram acessar a rede por meio do telefone celular e, em 2015, essa proporção foi de 85% – sendo que 31% desta porcentagem de crianças e adolescentes tiveram acesso exclusivamente por este dispositivo.
 
Ainda de acordo com a pesquisa, 18% dos entrevistados disseram ter deixado de comer ou dormir por causa da internet; 20% confessou ter passado menos tempo com família, amigos ou fazendo lição; 20% se sentiu mal em algum momento por não poder usar a rede; e 15% se pegou navegando sem estar realmente interessado no que via.
 
A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou no fim do ano passado um conjunto de orientações sobre exposição às telas e seus possíveis efeitos nocivos, de acordo com as idades e as etapas do desenvolvimento cerebral, mental, cognitivo e psicossocial das crianças e adolescentes. O documento “Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital” foi inspirado em estudos e recomendações internacionais e adaptadas à realidade nacional.
 
A SBP recomenda que bebês com até dois anos não tenham nenhum acesso às telas,
principalmente durante as refeições ou antes de dormir
 
Para crianças entre dois e cinco anos, o limite recomendado é de uma hora diária. Já as de seis anos não devem ter contato com jogos violentos e, até os dez anos, nenhuma criança deve ter televisão ou computador nos próprios quartos para evitar a vulnerabilidade do acesso a conteúdos inapropriados.
 
Para Liubiana Arantes de Araújo, neurologista pediátrica e presidente do Departamento de Desenvolvimento da Sociedade Brasileira de Pediatria, a criança não deve gastar essas duas horas máximas recomendáveis de uma só vez, e sim fazer intervalos para a exposição às telas. “A criança também não deve ter acesso às telas durante as refeições, para que a alimentação não seja prejudicada, e duas horas antes de dormir, para não afetar a qualidade do sono”, explica.
 
Em relação aos possíveis perigos para o desenvolvimento infantil, a SBP alerta que a exposição constante às telas pode aumentar a ansiedade, estimular um comportamento violento ou agressivo, causar transtornos de sono ou de alimentação, prejudicar o rendimento escolar, afetar relações em sociedade, facilitar o incentivo à sexualidade precoce, e expor a criança precocemente a drogas, entre outros.
 
De acordo com Liubiana, a criança que tem uma grande exposição a computadores e celulares, por exemplo, podem ter problemas em sua saúde ocular (devido ao olhar fixo e aberto diante da tela), auditiva (devido ao uso de fones de ouvido), manual (pela repetição de movimentos) e de postura. Ainda segundo a presidente da SBP, “o cérebro da criança é como uma esponja e recebe estímulos que moldam o seu comportamento e sua personalidade”.
 
Portanto, se a criança for exposta, mesmo que passivamente, às telas com cenas de violência ou de uma tragédia, isso vai gerar um sofrimento para o pequeno. Por isso, os pais devem tomar cuidado com o que deixam ligado perto de seus filhos. Além disso, dizer “meu filho não sai no celular” sem rever o próprio uso se revela uma contradição, afinal, referência é fundamental para o comportamento das crianças.
 
Celulares, tablets e computadores não precisam ser vilões, mas a relação desses dispositivos com as crianças precisa ser cuidada de perto.
 
A SBP recomenda contato zero com telas até os 18 meses de idade.
 
Como são as orientações lá fora?
A Academia Americana de Pediatria reviu as suas recomendações sobre a exposição de crianças à tecnologia. Orientações como a de que pequenos de até dois anos não deveriam ter nenhum contato com telas e a de que o acesso das crianças maiores à televisão deveria ser restrita a duas horas diárias foram mudadas pelos médicos.
 
Após a flexibilidade, as recomendações sobre o tempo de tela saudável – aquele usado para fins de entretenimento, ou seja, sem contar o período destinado a pesquisas e tarefas escolares – é de nenhuma exposição diária às telas para crianças de 0 a 18 meses; de uso limitado a uma hora por dia, com programação de qualidade e apropriada à idade, para as de dois a cinco anos; e de quantidade de tempo determinável pelos pais, mas sempre com monitoramento aos conteúdos acessados, para as de 6 anos ou mais.
 
Os pediatras americanos mudaram suas recomendações com foco mais no conteúdo assistido e menos no tempo em que os pequenos passam na frente às telas. Eles ainda passaram a orientar, por exemplo, que os pais tivessem um papel ativo na relação das crianças com os aparelhos eletrônicos. 
 
Crianças e telas: liberar ou proibir?
No mundo atual, é praticamente inevitável que qualquer criança não tenha acesso (mesmo que muito restrito) à televisão, computador, videogame, tablete, ou aparelho celular. A não ser quando a criança vive em condições remotas de acessibilidade, possibilidades e informação, é comum que os pequenos tenham contato com este mundo das telas brilhantes, seja em casa, na sala de aula, ou por meio de amigos.
 
E, entre as questões que permeiam as dúvidas de pais em relação ao acesso dos filhos às telas está a de liberar ou proibir o uso de aparelhos eletrônicos e tecnológicos, bem como o acesso à Internet.
 
Para quem pensa que não ter televisão em casa é uma tarefa difícil, Anne Sobotta prova o contrário. Instrutora e formadora em yoga para gestantes, mães e bebês em Santo Antônio do Pinhal (SP), Anne conta que quando engravidou de Jada – sua filha que hoje tem dez anos – já não tinha TV na casa onde morava na Bahia.
 
A francesa, que vive no Brasil há cerca de 15 anos, diz achar que a televisão tem um poder de atração enorme perante as pessoas e que não queria isso para sua família. “A TV aberta ou fechada tem mais porcarias do que coisas boas. Decidi que a televisão não ia fazer parte das nossas vidas e que há muitas outras possibilidades de diversão”
 
Em relação ao uso de outras telas, Anne conta que ela e seu parceiro usam muito o computador e tablet em seus trabalhos. Jada também tem permissão para usá-los, porém, sob supervisão da mãe. A menina tem acesso a vídeos com conteúdos pedagógicos – como um programa de ciências francês –, filmes em outros idiomas para estimular a linguagem trilíngue da família, aplicativos educativos ou pesquisas. Jada não tem acesso a nenhuma rede social, nem sob monitoração. “Prezo por ela poder se relacionar com pessoas em carne e osso, com outras crianças e outros adultos. Tento adiar o máximo possível as relações virtuais de minha filha”, diz Anne. 
 
A instrutora de yoga fala ainda que se apavora ao ver tantas crianças ganhando celulares de seus pais, alguns até sem bloqueio de segurança. “Minha filha vê as amigas com celular, me pergunta quando terá um e então eu explico os meus motivos. Há muita conversa e contextualização dentro de casa”.
 
Ana Paula Silva, proprietária da empresa socioambiental Morada da Floresta, e seu marido também já não tinham televisão antes de terem filhos. Com a chegada de Violeta e Micah, atualmente com oito e seis anos respectivamente, o costume da família permaneceu o mesmo. “Preferimos não ter TV para um maior controle sobre o que eles (os filhos) têm acesso”, conta Ana Paula. Porém, as crianças assistem à TV na casa de familiares ou amigos, o que também não acontece com frequência. Em relação a computadores, as crianças têm acesso limitado e a conteúdos supervisionados pelos pais.
 
De acordo com os especialistas, a influência dos pais é fundamental para determinar a relação das crianças com as telas. Então, não adianta proibir sem rever o próprio uso.
 


Postado em 13/09/2018


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé