O jornalismo tradicional perdeu o poder que tinha. E agora?
À esquerda ou à direita, a maior fonte de informação sobre política passou a ser os próprios políticos.
Com isso, a sociedade só tem a perder
 
Por Pedro Burgos
 
Pouco depois de o tribunal superior eleitoral confirmar sua vitória no segundo turno, Jair Bolsonaro fez uma transmissão nas redes sociais para agradecer a seus eleitores. Somente depois dessa live no Facebook, com direito a reza dos apoiadores no final, veio um pronunciamento mais formal para a imprensa, em um discurso lido. Era só mais uma amostra de como, para o novo presidente, falar diretamente com o público, especialmente seus seguidores e simpatizantes, parece ter prioridade sobre a liturgia do cargo, de pronunciamentos oficiais, debates e entrevistas coletivas.
 
Trata-se de um terreno completamente novo para a imprensa, que se habituou historicamente ao que os pesquisadores em comunicação chamam de gatekeeping: a mediação entre a fonte de informação e o público, além da escolha do que é e do que não é notícia. Diante dessa nova realidade, o que os veículos de mídia devem fazer? Por via das dúvidas, o Jornal Nacional gastou em uma edição de novembro quase 5 minutos reproduzindo os melhores momentos de uma transmissão do presidente eleito por celular para o Facebook. E, na semana seguinte, repercutiu nomeações de ministros anunciadas pelo Twitter.
 
Mas talvez o mais difícil para a mídia nem seja a diminuição da sua importância em pautar os assuntos e dar a notícia em primeira mão. E sim a ideia, cada vez mais difundida, de que jornais, revistas, sites de notícias e TVs jogam contra o País. Donald Trump costuma dizer que a mídia é “inimiga do povo americano”. Por aqui, Bolsonaro ataca com frequência alguns veículos, chamando-os de criadores de fake news.
 
Nos EUA, as críticas do presidente e seus correligionários republicanos à imprensa têm criado um movimento que segue linhas partidárias: opositores de Trump confiam mais na mídia – New York Times e Washington Post, os mais críticos ao governo, cresceram substancialmente sua base de assinantes após as eleições. Enquanto isso, uma pesquisa mostrou que apenas 38% dos eleitores republicanos concordam com a frase “críticas da imprensa impedem que políticos façam o que não deveriam fazer” – contra 82% dos democratas, opositores de Trump. É a maior diferença já registrada por esse levantamento, feito desde 1985 nos EUA.
 
Quando um veículo de imprensa tem viés político, qualquer crítica a um aliado será vista como “traição” pelos assinantes.
 
Setores da mídia começaram a reagir aos ataques e à desconfiança. A nova campanha da Folha de S. Paulo, por exemplo, tem como mote “Sem liberdade de imprensa não há democracia”. Com isso, o jornal não está só vendendo assinaturas, mas também pedindo apoio para continuar questionando os poderosos. É uma mudança importante na forma de venda, e que segue uma tendência mundial. Mas ela também traz perigos, que os jornalistas precisam ter em mente.
 
A imprensa não pode se definir como “partido de oposição”, para começar. Se o fizer, irá atrair cada vez mais um público que vai esperar – e cobrar – esse posicionamento sempre. É também o que estamos vendo em outros países. Esse comportamento faz com que bolhas sejam reforçadas, e uma crítica a alguém que é visto como aliado, ou o reconhecimento de uma boa decisão do “inimigo”, é logo vista como traição. A imprensa deve ser independente, inclusive para desagradar o seu público. Isso precisa estar claro para todo mundo.
 
Outro risco, para jornalistas e para o público, é achar que a cobertura política é mais importante que o resto. O jornalismo que esteve sob ataque e suspeição durante as eleições foi quase sempre o ligado à campanha presidencial. Mas ainda há um enorme espaço e importância para outros tipos de jornalismo. O programa de TV que fala de ruas esburacadas e força a prefeitura a agir, os textos que ajudaram 5,5 milhões de alunos a se preparar para o Enem e, claro, as reportagens desta SUPER. Entrar de cabeça em assuntos complexos como criptomoedas ou aceleradores de partículas é parte vital do debate democrático-jornalístico.
 
Não é que a imprensa deva ser “inofensiva”, mas é preciso fugir da ideia de que o jornalismo de verdade, com valor, é feito para “incomodar”. Há jornalismo de soluções, há crítica cultural, crônica esportiva, dicas de saúde e um universo de coisas que não são, em uma visão estrita do termo, “fundamentais para a democracia”, mas que são importantíssimas para fazer com que sejamos seres humanos melhores. Quando um político, qualquer político, atacar a função da mídia, é importante lembrar que todo esse ecossistema está sob ataque.  Todo  jornalismo precisa ser valorizado – e, claro, melhorado.
 
Este último ponto é particularmente importante. Jornalistas estão, com alguma razão, na defensiva. Mas não se pode confundir as palavras “ataque” e “crítica”. É preciso reconhecer que a imprensa errou um bocado neste ciclo eleitoral. Na ânsia de combater fake news, alguns boatos que deveriam ficar no subterrâneo ganharam ainda mais projeção – caso das “mamadeiras eróticas”. A predileção por cobrir frases bombásticas de pessoas próximas aos candidatos, em vez de focar nas propostas, também fez da imprensa alvo fácil de críticas. Hoje, em um momento em que a imprensa precisa de mais confiança, é necessário estar aberto ao que o público tem a dizer. Especialmente às críticas.
 
É claro que mesmo seguindo essa cartilha a imprensa pode continuar a ser demonizada por poderosos e parte do público, especialmente na sociedade cada vez mais polarizada em que vivemos. Pode ser que lados distintos do espectro político continuem obtendo suas notícias em lugares diferentes, o que, em última instância, faz com que eles confiem em realidades diferentes.
 
Poderosos até querem que isso aconteça. “Para cerca de 30% do eleitorado [americano] Trump é a maior fonte de notícias sobre Trump. Para essa porção do público, um sistema de notícias típico de regimes autoritários já está em funcionamento”, afirma Jay Rosen, professor da New York University e um dos maiores estudiosos da mídia no mundo hoje. Ele afirmou isso em uma conversa com Ezra Klein, do site Vox e um dos mais brilhantes jornalistas da sua geração.
 
Ezra Klein respondeu: “Acho que um monte de jornalistas quer voltar a um tempo em que nosso trabalho era feito para todo mundo. Mas talvez isso não seja mais possível. Parte dessa decisão é do público, e não da gente.”
 
Em suma: o esforço para reestabelecer a importância do jornalismo é de todos – tanto dos jornalistas como do público. E ele está apenas começando.
 
Fonte: Superinteressante - Publicado em 23/11/2018


Postado em 26/11/2018


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé