O que se mantém e o que muda no Ensino Médio com a Nova Base Nacional Comum Curricular?
Estudantes que já estão cursando os três últimos anos e pais não devem “sofrer por antecipação”.
Mudanças só serão implementadas a partir de 2022
 
Em dezembro de 2018, o Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Médio, que altera o conteúdo mínimo necessário que escolas públicas e particulares devem transmitir aos alunos nessa fase da vida escolar. A mudança já vinha sendo “desenhada” no âmbito político desde 2015, mas audiências públicas foram canceladas devido a protestos realizados em algumas capitais do País.
 
Agora, um ano após a homologação, muitos pais ainda se perguntam: mas, afinal, o que vai mudar? Que matérias serão obrigatórias e quais não? A qualidade do ensino se manterá ou piorará com a medida? Eu, como pai, posso acreditar que meu filho sairá do Ensino Médio com a formação necessária para ingressar numa universidade? A partir de quando essas mudanças passarão a valer?
 
São muitos questionamentos na cabeça de pais e estudantes, mas é necessário, em primeiro lugar, analisar a questão com serenidade. Até porque a nova BNCC só será implementada a partir de 2022. 
 
Então, vamos esclarecer o que muda:
  • As disciplinas de Matemática e Português terão carga horária obrigatória nos três anos do Ensino Médio;
  • Os demais conhecimentos poderão ser distribuídos ao longo destes três anos (seja concentrado em um ano, ou em dois, ou mesmo em três);
  • Os currículos estaduais devem ser adaptados e implementados até o início das aulas de 2022;
  • O trabalho do educador não será mais aplicado por meio de disciplinas e sim de resolução de problemas;
  • O currículo será baseado em cinco áreas formativas, são elas: linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e sociais aplicadas e, por fim, formação técnica e profissional.

E, para que você possa entender o que os educadores - os mais afetados pela medida - pensam, separamos a visão de professores e da direção do Colégio Notre Dame:

“Para nós, professores, essa novidade causou um impacto inicial, porque toda mudança traz instabilidade. Mas, eu acredito que mudanças são necessárias e nós temos que lançar um olhar empático pra entender esse novo layout proposto. Se formos analisar, este atual modelo seguiu por décadas e hoje temos um novo perfil discente. No geral, eu acho que a nova base vai ser positiva. Ela é o pontapé inicial para conseguirmos desenvolver as competências, porque agora foca no aluno como um ser humano global e não somente um executor de todo esse layout curricular. Além disso, a nova base propõe a educação integral que, independente da duração da jornada, busca promover uma aprendizagem sintonizada com as necessidades de cada estudante. Trabalhar senso de equipe, colaboração e desenvolver laços com os entes queridos, seja em casa ou com colegas na escola. Vai proporcionar essa busca mais global”, analisa o professor de Filosofia e Empreendedorismo no Ensino Médio e de Relações Humanas no Ensino Fundamental, Lucas Magalhães Ferreira. 
 
“Eu acho que nós precisávamos de nova base sim, até porque sentimos uma diferença gritante entre os currículos pelo Brasil afora. Mas, o maior desafio, durante estes três anos que antecedem a implantação, será para as escolas. Elas terão que capacitar os professores, que vão precisar se atualizar a essa nova realidade do ensino por áreas. A BNCC veio para chacoalhar a educação e, a longo prazo, teremos algo muito importante, que será a sintonia entre o Ensino Médio e os vestibulares. Hoje eles são extremamente conteudistas, mas o Enem 2019 já veio ao encontro das ideias da nova base. Continuo dizendo: foi muito positiva a medida, mas as escolas terão que fazer os educadores saírem da zona de conforto e pensarem ‘fora da caixinha’ para se adaptarem”, acrescenta a assessora pedagógica do Soluções Educacionais Anglo, Nilza Souza Popic. 
 
Para quem ainda tiver dúvidas ou quiser conversar sobre o assunto, a direção do colégio fica à disposição.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa do Colégio Notre Dame - Conteúdo Empresarial 


Postado em 04/12/2019


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé
Facebook Youtube Instagram