Esportes ajudam crianças com deficiência

 

A prática melhora a autoestima, a coordenação motora e a comunicação das crianças
 
Por Nivia de Souza, filha de Tânia e Renato
 
Kaca, Kihon, Chudan Uke, Mayguele, Kata-Taichi. Estas palavras representam golpes de Karatê e podem ser os mais novos termos do vocabulário das pessoas com síndrome de Down e deficiências intelectuais. O esporte aumenta a autoestima, a auto-disciplina, a coordenação motora e a comunicação dessas crianças, além de muitos outros benefícios. E não vale só para o Karatê!
 
“O esporte é o instrumento mais eficaz na socialização destas pessoas”, diz Carolina Robortela, professora de educação física e mãe de Lucas. Nestes ambientes, muitas amizades – e até namoros – começam.
 
É por meio do esporte e da relação professor e aluno, que eles aprendem a respeitar a hierarquia, além de respeito e cuidado com o próximo. “O esporte favorece e amplia a comunicação, transforma o código de linguagem em um código de significados compartilhados entre um grupo de pessoas. Isto os torna mais próximos e iguais diante dos obstáculos de uma aula”, afirmou a psicóloga Paula Ayub, mãe de Rafaella. 
 
Dentro da sala de aula, a metodologia para os alunos com ou sem deficiência é a mesma. O que muda é o tempo de resposta que cada um dará após os comandos do professor. “A gente fala mais devagar, somos mais lúdicos e treinamos ainda mais o que eles têm mais dificuldades”, afirmou Carolina.
 
Entre os benefícios do esporte no âmbito da saúde, estão melhoras nas condições cardiovasculares e do aparelho locomotor, assim como a agilidade e o equilíbrio. Com a atividade física, os músculos são fortalecidos. Para as pessoas com síndrome de Down – que, geralmente, apresentam frouxidão ligamentar – isso é muito importante, pois evita lesões posteriores.
 
Ter um acompanhamento médico é obrigatório tanto antes quanto durante a prática de exercícios, para a boa orientação dos profissionais que conduzem as aulas e para saber se a pessoa está apta para o esporte.
 
Já o acompanhamento psicológico é opcional, mas não deixa de ser importante. Carolina disse que o retorno dos psicólogos contém uma visão mais aprofundada do panorama das aulas, dando dicas de como conquistar a confiança dos alunos, por exemplo. A psicóloga Paula ressalta que o trabalho destes profissionais não é só para alunos e professores, mas também para os pais. “Nosso trabalho é identificar situações onde haja incompatibilidade, seja na comunicação, na relação temporal ou apoiando e incentivando a continuidade do projeto”, diz.
 
Carolina ainda afirma que a expectativa de vida das pessoas com síndrome de Down vem crescendo e, hoje, já ultrapassa os 40 anos. Uma das razões para isso é o combate ao sedentarismo.
 
A prática de esportes não reflete apenas na melhora da saúde e da socialização das pessoas com deficiências, reflete também na qualidade de vida. Segundo Paula, “no mundo do esporte, a cada dia um novo limite é quebrado. No paralelo, é o dia-a-dia destas pessoas, a superação.”.
 
Consultoria: Carolina Robortela, professora de Educação Física e mãe de Lucas. Paula Ayub, psicóloga e mãe de Rafaella. As duas profissionais são do Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural.
 


Postado em 30/07/2012


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé