É importante ler para crianças de até cinco anos?

Pesquisa da Fundação Itaú Social, em parceria com o Datafolha, revela hábitos de leitura da família brasileira. E aponta desafios que precisam ser vencidos para formar leitores desde a infância

por Marion Frank
 
A campanha nacional "Leia para uma Criança" tem como mote despertar o interesse do adulto pela atividade de ler para quem tem pouca idade - no máximo, até cinco anos. Para tanto, coleções com obras infantis foram distribuídas gratuitamente pelo País, cerca de sete milhões de livros que pretendem reforçar, na prática, a importância da educação junto à sociedade.
 
Este é o terceiro ano que o Itaú Criança se envolve em ações dirigidas para o incentivo da literatura infantil - bom momento para avaliar o impacto do programa, o que acabou originando a realização de uma pesquisa, em parceria com o Datafolha, sobre os hábitos de leitura da família brasileira. "O objetivo era checar, ajustar a nossa proposta, e medir até que ponto a importância da leitura para crianças pequenas é de fato percebida pelos adultos", ressalta Marcia Silva Quintino, coordenadora de área da Fundação Itaú Social (à qual está filiado o Itaú Criança). Assim, em agosto passado, cerca de duas mil entrevistas foram realizadas em todo o Brasil, sobretudo entre mulheres de idade média de 40 anos, com níveis de escolaridade entre os ensinos Fundamental e Médio e integrantes da classe C. Tanto Itaú Criança quanto Datafolha trabalharam na elaboração das questões. "Considero a amostra bem representativa da sociedade brasileira", avalia Marcia. Ela deixa claro, por exemplo, o papel da mãe como a leitora preferencial para desempenhar a tarefa de estimular o gosto de ler junto às crianças; e também o principal desafio a ser vencido pelo programa: estimular homens de 35 anos (e das classes D e E) a criar esse hábito - exatamente a parcela da população mais arredia à atividade de ler para as crianças de até cinco anos.
 
Conheça, a seguir, outras revelações importantes da pesquisa, todas elas comentadas pela coordenadora Marcia Silva Quintino, da Fundação Itaú Social.
 
96% dos entrevistados consideram importante incentivar as crianças de até cinco anos a gostar de ler.
"Desse total, 76% avaliam como ‘muito importante’ a atividade de leitura para as crianças pequenas. Existe, portanto, um consenso nacional - dado que justifica a campanha do Itaú Criança".
 
54% entendem que a atividade da leitura é importante para o desenvolvimento intelectual e cultural da criança pequena.
"Outras razões apontadas pelos entrevistados que justificam a leitura desde tenra idade foram o desenvolvimento de valores éticos (10%), a preparação adequada para o mercado de trabalho (9%), o desenvolvimento pessoal (6%) e, sobretudo a criação do hábito de leitura (36%)".
 
2% acham mais ou menos importante incentivar crianças de até cinco anos a ter gosto pela leitura.
"A razão mais citada (41%) por essa pequena parcela de entrevistados é a de que elas são muito novas e estão na idade de brincar."
 
Entre os responsáveis pela criança, 95% acreditam que cabe à mãe incentivar a criança de até cinco anos a ler.
"40% dos entrevistados também entendem ser importante o papel exercido pelas escolas e pelos professores na ação de estimular a leitura infantil."
 
53% dos entrevistados acreditam que o estímulo à leitura deve acontecer todos ou quase todos os dias da semana.
"A respeito da frequência, a pesquisa também revelou que os homens, sobretudo das classes A, B e C, têm maior percepção que as crianças de até cinco anos devem ser incentivadas apenas em alguns dias da semana."
 
Cerca de quatro em cada dez entrevistados tiveram alguém que costumava ler livros ou histórias durante a sua infância.
"Essa foi a resposta mais frequente entre os de 16 a 34 anos, em sua maioria, pertencentes às classes A e B e com ensino superior. Os pais foram os seus leitores preferenciais, com destaque para a mãe."
 
50% dos entrevistados gostariam que alguém tivesse lido histórias em sua infância - e o maior desejo que esse papel de leitor fosse da mãe.
"Algumas questões sensibilizaram bastante os entrevistados, que acabaram se lembrando de momentos difíceis da infância... Em todas as regiões do País, porém, a mãe é mencionada de forma expressiva como a leitora que gostariam de ter tido quando criança."
 
Atualmente, 37% dos entrevistados têm o hábito de ler livros ou histórias para crianças.
"É um dado revelador da distância entre o que é ideal e o que acontece no dia a dia: apesar de 96% dos entrevistados terem percepção da importância da leitura para a criança de até cinco anos, apenas 37% conseguem agir nesse sentido - e, entre eles, apenas 7% costumam ler todos ou quase todos os dias da semana."
 
82% concordam que ler para uma criança favorece a aproximação com ela.
"Apesar dessa percepção, parcela equivalente reconhece a necessidade de se dedicar mais à atividade de leitura para os de pouca idade - o que pode mesmo ser entendido como autocrítica."
 


Postado em 04/01/2013


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé