Por que a criança precisa de um livro ilustrado?
Especialistas explicam por que a ilustração é tão importante na narrativa e dão dicas de como escolher
 
por Marion Frank
 
Pesquisa recente sobre ensino na França concluiu que os alunos de melhor desempenho não são aqueles que leram os clássicos. A informação causou alvoroço durante a palestra de Sophie van den Linden, crítica de literatura infantil de passagem por São Paulo em razão do lançamento de sua obra, "Para ler o livro ilustrado" (Cosac Naify), no ano passado. Alvoroço, porque ia de encontro a um dos dogmas mais bem fundamentados através dos tempos sobre leituras obrigatórias desde tenra idade. Foi quando Sophie apresentou a ideia que dá base ao seu trabalho: "O importante é permitir aos filhos o acesso aos mais variados estilos de leitura e o prazer de escolher o que desejam ler", disse a especialista francesa. E acalmou a plateia.
 
O livro de Sophie van den Linden, aliás, é uma Bíblia sobre o livro ilustrado - e causa, ele próprio, assombro ao destacar a riqueza e a singularidade da produção desse tipo de literatura ao redor do mundo. Desde o primeiro trabalho que associou texto e imagem para contar uma história (Rodolphe Töpffer, em litografia, 1835) ao editor (Hetzel) que se interessou de modo inédito em divulgar obras exclusivas para o leitor infantil (1860), muito já se inovou nesse universo literário. "Hoje, ler um livro ilustrado não significa ler texto e imagem, é isso e muito mais", salientou Sophie. "É apreciar o formato, o uso de um enquadramento, a relação entre a capa e as guardas e os seus conteúdos, a articulação da poesia do texto com a poesia do desenho...".
 
E por aí vai. A criança, que de boba não tem nada, dá atenção a tudo isso de modo espontâneo, ela que percebe o mundo ao redor a partir das imagens. "No dia a dia com as minhas filhas de 3 e 5 anos, eu tento ler uma história, mas não dá certo, elas querem de todo jeito acompanhar a narrativa com a ilustração que existe em cada página...", revela Júlia Schwartz, editora da linha infanto-juvenil da Companhia das Letras. À medida que o tempo passa, porém, os pequenos crescem e perdem essa comunicação direta com o mundo visual. "Em geral, somos estimulados a ler apenas o texto, a se concentrar nele... O livro ilustrado serve para desenvolver a nossa educação visual que é muito precária", opina Isabel Lopes Coelho, diretora editorial do núcleo infanto-juvenil da Cosac Naify. Mais: ao transformar a ideia, o conceito, em algo concreto, o livro ilustrado alimenta a fantasia, realçando o seu papel de leitura obrigatória desde a infância. Por uma simples razão: "A imaginação é um componente da inteligência e da criatividade", lembra Neide Barbosa Saisi, psicóloga e professora da Faculdade de Educação da PUC-SP. 
 
Uma das qualidades do livro ilustrado (ou livro imagem) está, portanto, em treinar o olhar do leitor de modo a que ele compreenda todas as sutilezas artísticas do trabalho que tem em mãos. De uns seis anos para cá, inclusive, a produção desse tipo de obra é tão complexa que o seu criador deixou de ser reconhecido apenas como ilustrador, mas sim autor de uma obra completa (às vezes com texto, às vezes só com imagens) pelas principais editoras do País - trata-se de um nicho de mercado que não para de crescer, a propósito. "É um tempo de grande experimentação, de aproximação com as artes plásticas na sua produção", confirma Fernando Vilela, que, além de ilustrador, também é artista plástico e professor: ao lado de Odilon Moraes, outro nome de prestígio no cenário nacional do livro ilustrado, é responsável pelo curso "A imagem narrativa e a ilustração de livros", no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.
 
Ou seja: misturando técnicas de desenho com pintura e colagem e usando o computador para finalizar as imagens, Fernando produz um trabalho bem próximo da obra de arte. "O livro ilustrado é uma oportunidade de levar para casa uma arte sofisticada que estimula a educação do olhar, algo importante não apenas para a criança, mas também para os pais dela", afirma. Ter ou não texto, nesse tipo de livro, passa a ser um detalhe. 
 
Como escolher um livro ilustrado?
 
Livro ilustrado não tem idade. "Ele é universal, atraindo públicos do infantil ao adulto", garante Júlia Schwartz. Ok, mas como saber que livro é adequado para a criança? Tão variada é a oferta que os pais perdem o foco, enchem as mãos de opções nas livrarias e voltam para casa, insatisfeitos com a escolha.
 
Aos 29 anos, Júlia Schwartz já tem experiência de sobra como editora da Cia. das Letrinhas e mãe (de duas meninas) para orientar papai e mamãe na hora de comprar um livro ilustrado. Conheça suas dicas:
 
Escolher bem a editora
Procure na livraria a estante da sua editora preferida - existe quase sempre uma predileção pelos títulos já publicados por uma determinada editora, o que serve de garantia de qualidade também em relação ao livro imagem
 
Observar como o desenho atrai a criança
Livro ilustrado chama a atenção pelo desenho, é ele que vai determinar a compra. Lembre-se: seu filho está sendo educado esteticamente, daí ser muito importante o desenho que vai apresentar para ele. Esse desenho precisa ser original, atraindo o interesse da criança desde o primeiro momento. É um desenho que experimenta e ousa, o que enriquece a compreensão infantil
 
Preferir ilustrações artesanais
Quanto mais o desenho revelar que foi produzido de modo artesanal melhor! A boa ilustração é aquela que serve de impressão digital do seu criador
 
Tomar cuidado com os livros-brinquedo
Tenha cuidado com o chamado livro "pop-up", o livro-brinquedo. Ele acaba se tornando um jogo atraente, deixando a história para segundo plano. Acredito que não é preciso enfeitar as histórias para torná-las atraentes ao público infantil
 
Buscar temas do interesse da criança
Prefira temas que são do interesse do seu filho - ele gosta de dinossauros, por exemplo? Procure livros com esse tipo de ilustração, há muita oferta na área. E assim por diante
 
Utilizar a leitura como momento de integração
Livro ilustrado serve de pretexto para papai e mamãe participarem da descoberta desse universo ao lado dos seus filhos, momento de união, um ritual de leitura que não deve ser desprezado
 
"Garimpar" bons preços
O livro ilustrado tem preço médio de R$ 30. Ainda é caro, infelizmente, porque a tiragem é pequena. Mas os pais não devem se assustar com esses valores, há sempre saldos nas livrarias - a recomendação é garimpar. Até porque as editoras andam preocupadas em lançar boas histórias em versões econômicas - sem capa dura, por exemplo. Fique de olho
 
Pesquisar o conteúdo do livro na internet
Antes de ir à livraria faça uma pesquisa no site da editora de sua confiança. Hoje é possível folhear as primeiras cinco páginas, sentindo de antemão a qualidade do livro que pretende adquirir para a criança
 


Postado em 18/04/2013


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé