Uma montanha de lixo...
A quantidade de lixo produzido no Brasil aumentou 21% nos últimos 10 anos, segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Em 2003, cada pessoa produzia 955 gramas de detritos por dia. Hoje, o número está em 1,223 kg – crescimento que representa mais que o dobro do avanço populacional no mesmo período (9,6%).
 
A previsão é de uma alta ainda mais acentuada nos próximos anos. Isso porque a produção de lixo está ligada à elevação da renda dos trabalhadores. Na última década, 40 milhões de brasileiros entraram para a classe média. “Percebemos que a geração de resíduos no Brasil, como em vários lugares do mundo, está muito relacionada ao aumento do poder aquisitivo da população. E quanto mais se consome, mais se gera lixo”, ratifica o diretor-executivo da Abrelpe, Carlos Silva Filho.
 
Ainda conforme o levantamento, no ano passado foram geradas quase 64 milhões de toneladas de resíduos sólidos, o que equivale a 383 kg por pessoa. Em relação a 2011, houve um crescimento de 1,3%no lixo por habitante. O estudo foi distribuído pelas regiões do País e não detalha áreas específicas de cada uma, como a Baixada Santista. Entretanto, a realidade local é semelhante ao resultado obtido nacionalmente. Em Santos, por exemplo, são recolhidas aproximadamente 14 mil toneladas de lixo por mês.
 
Para o engenheiro Carlos Tadeu Eizo,do Departamento de Serviços Públicos da Prefeitura de Santos, o aumento expressivo do volume de lixo não pode ser encarado apenas com pessimismo. “A pessoa só consome porque a renda permite. Por mais incrível que possa parecer, eu me sinto feliz nessa situação. É sinal de que as coisas no Brasil e aqui na Baixada Santista estão acontecendo. Quando existe um crescimento na curva de produção de resíduos, é sinal de que as pessoas estão indo à feira, ao supermercado, fazendo compras”, pondera.
 
COMO DIMINUIR?
 
O diretor-executivo da Abrelpe acha possível reverter esse quadro e diminuir o montante do lixo produzido em residências e comércios. Segundo ele, 51% dos detritos são constituídos por matéria orgânica, ou seja, por restos de alimentos. “Existeum grande desperdício de alimentos no Brasil. Se houvesse uma atuação mais efetiva (do governo), com educação da população, nós conseguiríamos reduzir o desperdício e a geração de resíduos ao mesmo tempo”.
 
Para Carlos Silva Filho, a reciclagem entra como segunda prioridade. “32% do lixo é de material reciclável que, claro, a população precisa se conscientizar e dar o destino adequado. Tem ainda outra fração, de madeira, tecido e outros materiais que são descartados que poderiam ser reaproveitados em algum processo”, considera.
 
Carlos Tadeu Eizo afirma que a redução de lixo vai acontecer naturalmente quando houver uma mudança cultural. “Mas isso vem de berço. Na Europa, principalmente na Alemanha, a pessoa compra produtos, vai ao caixa e não recebe nenhuma em balagem. Lá não é costume. É diferente aqui no Brasil, onde você sai com o saco maior do que o produto”.
 
DESCARTE INADEQUADO
 
Grande parte do lixo produzido no Brasil é levada para locais inadequados. No ano passado foram 24 milhões de toneladas (37,5% do total) descartadas incorretamente em lixões, o que daria para encher mais de 150 campos de futebol.
 
Neste quesito, Nordeste, Centro-Oeste e Norte do País mantêm os piores índices –mais de 70%das cidades não fazem destinação correta dos detritos. Porém, a região Sudeste, que inclui o Estado de São Paulo, também precisa melhorar. Do total coletado em 2012, 28% teve os lixões como destinação final. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) determina que, até o ano que vem, todos os lixões devem ser substituídos por aterros sanitários devidamente licenciados.
 
A Baixada Santista possui um aterro sanitário na Área Continental de Santos desde 2003, mantido por um consórcio privado, o Terrestre Ambiental. Todo o lixo da Cidade vai para o local fazendo apenas o transbordo no antigo lixão da Alemoa, atualmente em recuperação ambiental.
 
Fonte: A Tribuna - Lixo no Lixo


Postado em 06/06/2013


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé