Você é um pai ou mãe superprotetor?
Entenda quando o cuidado ultrapassa o limite do aceitável e passa a prejudicar a criança
 
Por Luiza Tenente
 
Seu filho está tentando amarrar o tênis e você corre para terminar a tarefa por ele. Um amigo chama a criança para passear no parque e sua reação é de... medo. Você teme que ela se machuque, se perca dos adultos, fique desamparada.
 
Se você se identifica com essas situações, talvez seja hora de refletir se a sua vontade de proteger o seu filho está passando do limite. Há até uma metáfora para caracterizar os pais superprotetores, que desejam sempre estar por perto, de modo a evitar qualquer sofrimento ou decepção do filho. São conhecidos como “helicóptero”. Com a hélice sempre girando, a aeronave sobrevoa o território incessantemente. A qualquer sinal de perigo na terra, ela está pronta para pousar e prestar socorro.
 
Você deve estar pensando: mas meu filho tão frágil precisa ser protegido. Claro, mas com equilíbrio. “O limite é tênue. Cuidar é observar o outro e fazer uma análise realista do que está acontecendo. A superproteção é baseada na emoção e na dificuldade de tolerar uma possível frustração”, explica a psicanalista Anne Lise Scappaticci, da International Psychoanalytical Association (IPA). Vamos pensar em outro exemplo: seu filho está com notas baixas na escola. Diante disso, você pode conversar com ele e perguntar se está sentindo dificuldade, arrumar um cantinho especial para o estudo em casa e estabelecer um horário para que ele faça as lições. Já o pai superprotetor, no anseio de ajudar, ficaria ao lado e resolveria até alguns exercícios pela criança. Dessa forma, preveniria a decepção do filho em não conseguir solucionar de imediato um problema.
 
O que essa atitude dos adultos representa? De acordo com a psicanalista, a superproteção costuma surgir de pessoas amorosas, bem intencionadas, mas que não conseguem tolerar a própria ansiedade para educar o filho. Elas são, na maior parte, inseguras e tendem a se antecipar e não deixar que a criança viva experiências novas. Outra característica comum é desconsiderar a idade e o crescimento do filho – o casal o educa como se fosse sempre pequeno e indefeso.
 
As consequências da superproteção
 
Na intenção de fazer o melhor para o filho, o jeito “helicóptero” de alguns pais acaba atingindo o desenvolvimento da criança. “Ela cresce com a sensação de ser frágil”, afirma a psicanalista. Se não é convidada para uma festinha na escola e você prontamente compra um presente para compensar a decepção dela, está contribuindo para que não experimente a dificuldade.
 
Estudos mostram os efeitos negativos de superproteger os filhos. Um deles, publicado no Journal of Child and Families Studies, descobriu que esse comportamento dos pais aumenta o risco de a criança se sentir incompetente, sofrer depressão e ansiedade - consequências que muitas vezes podem surgir a longo prazo. Outra análise, feita a partir da revisão de 70 levantamentos, envolvendo mais de 200 mil crianças, da University of Warwick, no Reino Unido, revelou que a superproteção aumenta também o risco de bullying.
 
OK, a gente sabe como é duro presenciar momentos de sofrimento e frustração dos nossos filhos. Mas, se eles não existirem, algumas habilidades não serão desenvolvidas. Acredite: a tensão e até a solidão podem contribuir na formação de um adulto independente e consciente, disposto a enfrentar o mundo – sem esperar que tudo seja feito por ele –, a arriscar e... errar. São situações que preparam o seu filho para o mundo.
 
É trabalhoso encontrar o ponto certo entre negligência e superproteção. Que tal, em vez de ser um pai ou mãe helicóptero, você se tornar um “submarino”? Essa metáfora, citada no livro Fun-Filled Parenting: A Guide to Laughing More and Yelling Less, de Silvana Clark, alude ao perfil de adulto que está por perto, cuidando do filho, mas não tão visível. Só sobe para a terra quando realmente for necessário, mas não abandona nem deixa de entrar em contato com a criança. Cuidar é um investimento. Quando seu filho estiver treinando para algo novo, como comer com talheres corretamente, fique ao lado, incentivando – e não faça por ele. Se for ao clube com amigos, se informe das regras do local e dos horários mais seguros para frequentá-lo. Solte-o aos poucos, de acordo com o amadurecimento que ele manifestar. Sim, é possível cuidar bem sem superproteger.
 
Para ajudar você, pontuamos algumas situações em que a hélice do helicóptero tende a começar a girar... E saiba o que fazer para que seu filho cresça e viva experiências enriquecedoras e divertidas (mesmo longe de você).
 
No parque
 
Ao dividir os brinquedos...
 
Sinais de superproteção: Seu filho leva vários baldes e pazinhas para o parquinho. Quando chega ao local, um menino que está na areia não tem nenhum brinquedo. Você logo pensa: “Eles vão brigar e disputar pelos objetos.” Para prevenir o atrito, escolhe um dos baldes e já empresta para o garoto.
 
O que fazer: Essa seria uma boa oportunidade para se relacionar com um novo amigo. Fique por perto, mas deixe-os à vontade. Se o outro menino quiser brincar junto, sugira que seu filho empreste um dos brinquedos. E se ele disser não? Explique que é legal quando todos se divertem, ainda mais juntos. Faz questão de ficar com o balde azul? Então pode dar a pá vermelha para o novo colega.
 
Ao se aventurar no playground
 
Sinais de superproteção: A criança está morrendo de vontade de experimentar o escorregador mais alto, mas você está com medo de que ela se machuque. Então acha melhor que ela não experimente o brinquedo.
 
O que fazer: Se você tiver medo que seu filho caia do escorregador, fique ao lado dele e o oriente para subir as escadas com cautela. Use um tom de voz suave, sem apavorar ou deixar a criança tensa.
 
Em geral, os pais superprotetores tendem a projetar seus medos nos filhos. Em vez disso, você pode contar seu temor a ele, mas estabelecendo uma parceria. Não precisa fingir que é um super-herói – diga que tem medo de montanha-russa, mas que está tentando superar isso. Sugira a ele que vá com outra companhia, como seu companheiro. Afinal, cada um tem suas inseguranças e elas não precisam ser transmitidas nem escondidas.
 
No computador
 
Sinais de superproteção: Seu filho quer navegar na internet e jogar no computador, mas você teme que ele sofra cyberbullying, tenha acesso a conteúdos impróprios ou seja vítima de golpes online. Por isso, proíbe qualquer contato com esse tipo de tecnologia.
 
O que fazer: Essa proibição total não é positiva. Provavelmente, ele irá à casa de um amigo e aproveitará para descobrir o que há de tão misterioso na web. É importante analisar a idade da criança e apresentar a ela o que condiz com sua faixa etária. Fique ao lado para orientá-la e explique os motivos de ainda não permitir que ela entre em um site de notícias, por exemplo. O diálogo é um bom caminho para que seu filho entenda a razão de uma regra. A permissão ao acesso à internet deve ser gradual, assim como o tempo que pode ser dedicado a ficar em frente à tela.
 
Longe de casa
 
Sinais de superproteção: A criança é convidada para um acantonamento (quando dorme na escola) ou para passar a noite na casa do amigo. Você liga para a mãe do colega ou para a diretora e faz todas as perguntas possíveis sobre o programa. E pior: demonstra para seu filho que não está satisfeito com o convite.
 
O que fazer: Em geral, as crianças são como esponjas: por mais que você não diga explicitamente que não quer que seu filho durma fora de casa, ele absorverá sua angústia. E, consequentemente, captará a insegurança e passará a ver a experiência como algo perigoso. Dessa forma, é provável que ele desista da brincadeira.
 
A consequência pode vir a longo prazo. A criança perceberá que é a pessoa mais importante para os pais e que eles fazem questão de sua presença em tempo integral. Por isso, passam a achar que, se saírem com amigos, estarão deixando a família abandonada. Gostar de outra pessoa, fora desse círculo, passa a ser encarado como uma “traição” a quem tanto o ama.
 
Nesse momento, tente se lembrar de que será um passo importante para a independência da criança. Se é um desejo do seu filho, incentive-o a passar a noite na escola ou na casa do amigo e diga tudo o que será divertido nessa experiência. É claro: você pode ligar para os pais do colega ou para a diretora, desde que faça questionamentos pertinentes. Deixe seus contatos, caso ocorra alguma emergência e precise ser informado. Mas nada de querer saber detalhes desnecessários, como o horário exato em que a criança se deitará, combinado? Afinal, esse é um momento de lazer, e uma exceção na rotina não será prejudicial.
 
Na escola
 
Ao voltar às aulas
Sinais de superproteção: Seu filho chora assim que chega à porta da escola. Você fica com o coração partido, segura-o no colo e volta para casa, onde estará mais seguro.
 
O que fazer: Tente acalmá-lo e explique que está tudo bem. Nos dias de adaptação, fique na escola – seu filho se sentirá mais seguro com sua presença próxima. Aos poucos, ele ganhará confiança e nem se lembrará do medo! Desistir e retornar ao lar é o mesmo que dizer à criança que ela tem razão e que a escola realmente é um lugar perigoso.
 
Ao saber que seu filho se envolveu em uma briga
 
Sinais de superproteção: Você descobre que seu filho brigou com um colega de sala. No mesmo momento, telefona para a mãe do amigo e pede satisfações. Vai até a escola e discute com a coordenadora, por considerar um absurdo que qualquer conflito ocorra na instituição de ensino.
 
O que fazer: É importante que seu filho aprenda a se relacionar e a administrar tensões. Primeiramente, pergunte a ele o que motivou a discussão. Depois, quando estiver mais calmo, converse com a coordenadora da escola e a informe sobre o conflito, para que ela tome as providências necessárias – como contar sobre o ocorrido para a professora, por exemplo.
 


Postado em 12/05/2014


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé