Os pilares da boa educação
Educar não é fácil, mas algumas atitudes ajudam a construir uma relação de respeito e confiança.
Especialistas dão dicas para uma boa educação
 
por Carolina Tarrío 
 
"É preciso ter coerência, evitar o duplo comando e estabelecer regras claras", diz Lais Fontenelle, psicóloga e consultora do Instituto Alana
 
Você vai passear com seu filho, na melhor das boas intenções. Em pouco tempo, o que era para ser uma saída gostosa, se transforma em um inferno de "quero isso, quero aquilo!", em um bico que se alonga e numa manha sem fim. Vamos ser sinceros: quem nunca teve vontade de gritar a plenos pulmões ou sumir quando essas cenas acontecem? Quem nunca foi dormir desanimado após um dia de lida e embate com as crianças? Atire a primeira pedra quem jamais ficou em dúvida sobre o que fazer, dizer ou como se comportar quando o assunto é educa-las. 
 
Bom, um manual, sentimos muito, não existe. Até porque cada criança é diferente e cada pai e mãe, também. Cada um tem sua personalidade, seus limites, sua tolerância. Mas é possível, sim, identificar algumas atitudes que facilitam a tarefa e deixam o terreno da educação mais fértil e menos escorregadio. 
 
"Se um dia o pai ou a mãe dizem não para determinado comportamento ou vontade da criança, e no outro, porque estão cansados ou porque não querem encarar uma briga, eles cedem, os filhos se confundem", diz a terapeuta de casal e família Magdalena Ramos, autora do livro E Agora, o que Fazer? A Difícil Arte de Criar os Filhos. Com o tempo, as crianças passam a usar essa falta de consistência a seu favor. Procuram ora o pai, ora a mãe (o que for mais "mole") para pedir coisas, insistem até eles capitularem ou fazem birras intermináveis e a vida começa a ficar difícil. "É preciso ter coerência, evitar o duplo comando e estabelecer regras claras. Crianças em fase de desenvolvimento cognitivo, físico e emocional precisam de contorno, de rotina para entender o mundo até se estruturarem e saberem o que podem e o que não", explica Lais Fontenelle, psicóloga e consultora do Instituto Alana, que trabalha em prol da infância. "Até mesmo para poder transgredir, se isso em algum momento for necessário, os limites precisam estar explícitos", diz. Quer entender, além da coerência, que outras atitudes formam a base de uma boa educação? Confira nossa lista.
 
As chaves para que a educação funcione:
 
1. Afeto
"A educação precisa estar baseada em um relacionamento. Dificilmente uma criança vai respeitar ou aceitar limites e regras de quem nada tem a ver com ela", diz Magdalena Ramos. Ou seja, para que exista respeito, para que haja obediência, é preciso construir, antes de tudo, um vínculo, uma base de carinho e cuidado. E, nesse sentido, pais e mães precisam estar preparados para a dedicação e o trabalho que educar uma criança exige. "A função materna é imprescindível para o desenvolvimento físico, cognitivo e emocional das crianças, principalmente nos dois primeiros anos de vida. E essa função não pode ser terceirizada, delegada a motoristas, babás, enfermeiros...", diz Lais Fontenelle. "Para exercê-la, a mulher tem de saber que vai abrir mão de certas coisas, como sono ou horas de trabalho, e precisa estar disposta a isso."
 
2. Exemplo
As crianças, infelizmente, não aprendem o que a gente diz que deveriam. Elas aprendem por observação, por experimentação, vão testando diferentes situações e reagindo aos climas e ambientes à sua volta. Portanto, se você pretende ensinar algo, exerça-o primeiro. "Vejo sempre crianças no parquinho que acabaram de ganhar um brinquedo novo, entusiasmadíssimas. Aí, quando outro menino quer brincar, a mãe exige que seu filho o empreste. Será que esse é justamente o momento de ensinar a criança a ser generosa? De passar esse valor? A mãe, por acaso, empresta seu smartfone novinho, no qual vive grudada, para qualquer um? É preciso tomar cuidado para não cair num discurso vazio", diz Lais Fontenelle. Tente prestar atenção ao momento da criança e, principalmente, não faça o que você não quer que ela repita!
 
3. Limites
"Crianças precisam ouvir ‘não’. Aprender a conviver é entender que existem limites. Dar esses limites a uma criança é fazer um bem a ela", diz Lais. Você já entendeu que sua liberdade termina quando começa a do outro, não é? Pois o seu filho ainda precisa aprender. "Muitas vezes, os pais passam pouco tempo com os filhos e não querem gastar esses momentos repreendendo-os ou dizendo não", conta Magdalena Ramos. Mas, para o próprio bem das crianças, elas precisam saber que certos pontos não são negociáveis. E que esses limites existem para protege-las. Não é preciso brigar por tudo, ser inflexível, mas há questões essenciais, como ter um bom sono, manter uma boa alimentação, seguir uma rotina, principalmente nos primeiros anos. Também não se pode negociar com os valores que são caros à família. Nesses casos, a saída é manter-se firme. E se a birra vier, paciência, aguente o tranco. "Principalmente quando se trata de crianças menores, a correção, a bronca ou o castigo tem de ser aplicados quando o fato aconteceu. Uma criança de 2, 3 anos não entende um castigo que só vai ser aplicado no dia seguinte nem conecta o que fez a ameaças do tipo ‘você vai ver quando seu pai chegar’", diz Magdalena. Tente agir logo que o problema acontece.
 
4. Respeito
As crianças costumam perceber muito bem os estados de ânimo de pai e mãe e os climas da família. Elas podem não possuir um repertório muito grande para se comunicar ainda, mas de bobas, não têm nada. Por isso, se algo está acontecendo, é melhor jogar limpo. "Se houver algum assunto que ela não pode saber, diga simplesmente que você está chateada ou nervosa por algo que é de adultos, que nada tem a ver com ela, mas não invente mentiras", aconselha Magdalena. E, quando eles perguntarem sobre algo cabeludo, tente responder levando em conta a idade da criança, sem precisar fazer um enorme discurso, dando mais informação da que foi solicitada, nem podando a curiosidade ou repelindo a pergunta. "Dar a uma criança uma explicação enorme, que ela não pode assimilar ou entender, gera ansiedade, angústia. E, ao contrário, impedi-la de saber ou de realizar coisas que ela já é capaz, também a tolhe, a desanima. É preciso acompanhar o crescimento dos filhos, respeitar suas diferentes fases e ir dosando nossas respostas e permissões."
 
5. Estímulo
É importante valorizar os esforços da criança, ajuda-la a reconhecer seus pontos fortes, a melhorar. Seja nos estudos ou no comportamento, suas conquistas merecem ser valorizadas. "Não se trata de elogiar qualquer coisa que a criança faça, porque aí o discurso fica vazio. Mas se ela foi tenaz, se ela se aplicou, se houve um esforço, é importante reconhecê-lo, celebrá-lo", diz Magdalena Ramos. Muitas vezes, os pais falam com os filhos em um tom ríspido, desvalorizando suas opiniões. "Se a criança disse algo inadequado, tente entender de onde isso surgiu, escute seu raciocínio e explique o que for necessário, mas não a desqualifique. É sendo ouvida e guiada que ela vai construindo sua auto-confiança e sua argumentação."
 
6. Aceitação
Você passa 9 meses (ou mais!) imaginando como será seu filho e, muitas vezes, aquele cenário que foi sonhado, projetado, não se realiza. Aliás, na maioria das vezes! Só que não adianta querer moldar um filho ao nosso desejo. Podemos ajudá-los, incentivá-los, educá-los, mas eles têm seus talentos, sua personalidade, seu jeito de ser. "É preciso reconhecer e valorizar os talentos de cada um, sem ficar comparando um filho com outro ou com outras crianças", diz Magdalena. Em algumas famílias, determinadas aptidões são extremamente valorizadas e aí, se o filho ‘falha’ ou não se interessa por esses mesmos temas, acaba não sendo aceito ou sentindo-se incapaz. "Seu filho pode não ser bom administrador mas ser ótimo fotógrafo ou cozinheiro. Pode não gostar tanto de esportes como o pai mas ter outros talentos, manuais, por exemplo. Não dá para eleger um filho (real ou imaginário) como modelo e desconsiderar os outros", alerta Magdalena.
 


Postado em 17/07/2014


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé