Ebola: o que é, quais os riscos e por que é tão fatal
A atual epidemia da doença na África é considerada a maior da história.
Saiba como se espalha esse vírus raro e tão perigoso
 
REDAÇÃO ÉPOCA
 
Já é a maior epidemia de ebola da história. Três países da África ocidental enfrentam um surto sem precedentes de uma das doenças mais fatais do mundo, e a chegada do vírus a um quarto país africano assustou as autoridades da área da saúde. Mas o que é o ebola, e quais os riscos que estamos correndo? Confira abaixo as principais dúvidas sobre o vírus e sobre o surto atual.
 
O que é esse ebola de que todo mundo está falando?
O ebola é um vírus particularmente fatal para humanos e outros primatas. Ele foi identificado pela primeira vez em 1976, em uma vila chamada Ebola, na República Democrática do Congo. Desde então, já foram 14 surtos da doença na África. Os cientistas identificaram cinco tipos diferentes do ebola, sendo que três são os mais perigosos: bundibugyo, sudão e zaire. A epidemia atual é do ebola-zaire.
 
Os primeiros sintomas surgem entre dois dias e até três semanas após a infecção, e no começo se parecem como os de uma simples gripe, como febre e dores de cabeça. A doença evolui para hemorragias externas e deficiência de rim e fígado. Nos casos mais graves, o paciente sofre sangramentos pelo nariz, olhos e boca. Dependendo do caso e do tipo de vírus, ele mata até 90% das vítimas. Na epidemia atual, a taxa de mortalidade está acima de 60%.
 
Esse surto atual é mesmo tão sério?
Sim. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a organização Médicos Sem Fronteiras, a epidemia atual já é a maior da história da doença. Muitos fatores fazem deste surto pior do que os anteriores: ele não está confinado a regiões isoladas, atingindo quatro países diferentes (Guiné, Serra Leoa, Libéria e Nigéria); foi a primeira vez que atingiu o oeste da África, em países que não estavam acostumados a enfrentar a doença; e a globalização torna muito mais fácil para um doente viajar de avião antes de detectar a doença, podendo espalhá-la em outros países. Isso aconteceu na semana passada. Um homem infectado pelo ebola saiu da Libéria, passou pelo Togo e chegou à Nigéria. A OMS enviou equipes para os dois países e teve de colocar o hospital nigeriano em quarentena para evitar problemas. O mapa ao lado mostra o número de casos e mortes registrados até 28 de julho.
 
Alguma chance de eu pegar ebola?
Se você está no Brasil, nenhuma. Não há nenhum caso de pessoas que tenham sido infectadas fora da África. A única vez que o vírus saiu do continente africano foi em 1994. Um médico suíço contraiu ebola enquanto fazia autópsias de animais na África, e os sintomas só apareceram na Europa. Ele ficou em quarentena, se recuperou e o vírus não se espalhou.
 
Aliás, como se pega esse vírus?
A forma mais comum é pelo contato com fluídos corporais de uma pessoa infectada. Saliva, urina, sangue, lágrimas, por exemplo. Não há casos de trasmissão sem contato físico direto com a pessoa doente. Parentes de vítimas e médicos que cuidam dos pacientes acabam sendo as pessoas mais vulneráveis.
 
Além disso, se você gosta de comidas exóticas, é bom tomar cuidado com morcegos. Ao que tudo indica, o surto atual começou porque pessoas comeram morcegos infectados. Os morcegos da família Pteropodidae, conhecidos como morcegos-de-fruta, são considerados como hospedeiros naturais do vírus. Não à toa, a primeira medida dos países que enfrentam a epidemia foi proibir o consumo dos morcegos.
 
Onde vive esse morcego? Porque eu pretendo ficar bem longe dele.
O mapa abaixo, da Organização Mundial da Saúde, mostra onde o morcego vive. É a parte pontilhada do mapa. Em azul, países que receberam, em laboratório, macacos ou porcos infectados com ebola vindos das Filipinas - importante explicar que esses casos foram do ebola-reston, que não afeta humanos. Em amarelo, países onde houve ocorrência de animais com o vírus. Os países que já tiveram casos do ebola em humanos estão em laranja: os que enfrentaram surtos (laranja-escuro) e os que receberam pacientes "importados" de outros países (laranja-claro). O mapa engloba todos os surtos, não apenas o atual.
 
Há cura?
Assim como o vírus da gripe, não há cura, mas é possível tratar os sintomas. Quanto mais cedo começar esse atendimento, maior a chance de sobrevivência. O tratamento é focado em repor fluídos e sangue perdido, manter a pressão arterial e tratar infecções relacionadas. O paciente precisa ficar no mínimo três semanas em isolamento, para evitar espalhar o vírus. As chances não são promissoras. No surto atual, mais de 60% dos pacientes morreram. Em algumas epidemias, o mortalidade chegou a 90% dos casos. E não há uma vacina. Mas a OMS afirma que o ebola é um vírus raro - basta tomar cuidado em casos de epidemia, como o atual, evitando contato com pacientes infectados, mortos ou animais que podem ser hospedeiros, como morcegos ou macacos. Segundo eles, não há razão para pânico.
 
Fonte: Época


Postado em 30/07/2014


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé