A importância das experiências para a criança pequena
A vida do seu filho é construída por experiências e, é por meio delas, que a aprendizagem deslancha.
Mas como proporcionar boas experiências a ele?
 
por Adriana Fonseca 
 
Guie seu filho em experiências sensoriais, como sentir o aroma e a textura das frutas
 
Fique tranquila: tudo é mais simples do que parece! As situações cotidianas são um rico ponto de partida para se explorar e intensificar essas experiências! É necessário, porém, que se passe a olhar para vida de uma maneira mais cuidadosa. É preciso criar a oportunidade de dar uma "paradinha" e, de fato, observar seu entorno. Assim você verá que poderá colaborar para que seu filho internalize, sem sofrimento, informações a que está constantemente sendo exposto.
 
A vivência de boas experiências - sensoriais, emocionais e sociais - fundamenta a base de um adequado desenvolvimento infantil. Por isso, vale pensar sobre isso e começar a proporcioná-las a seu filho desce o nascimento. Sonia Madi, psicopedagoga do CENPEC, salienta que os pais devem ser cuidadosos ao incentivar seu filho a ir além daquilo que dá conta de fazer! As crianças são diferentes e vivem as experiências com sensações diversas. Na mesma família existe, por exemplo, uma criança mais destemida que se aventura a jogos corporais complexos e outra mais temerosa e retraída. Portanto, a maneira que os pais devem estimulá-las frente ao desafio será absolutamente diferente.
 
Vera Tschiptschin Francisco - psicanalista, pedagoga e membro-fundadora da Gesto Psicanálise - explica que as experiências sociais acontecem naturalmente na rotina diária da criança e alinham o desenvolvimento dela. Ressalta que é importante lembrar porém, que essas experiências se enriquecessem "com a presença de um adulto que transita entre uma proximidade e uma distância maior da criança, dependendo da situação, ou seja, ora ele entra e atua na experiência e ora observa e se coloca ao alcance dessa criança, caso ela necessite". Esse mediador pode, então, fazer com que a criança pare, perceba, aproveite as interações e amplie os conhecimentos. Pode também auxiliá-la a experimentar o "estar sozinha", o que vai ajudar a criança a descobrir as próprias ferramentas para lidar com as situações e ir se sentido cada vez mais parte do mundo em que vive.
 
Veja como fazer isso de uma maneira natural, seguindo as dicas abaixo.
 
1. Atenção para as descobertas diárias
Valorize cada situação corriqueira na companhia de seu filho e dê espaço para que se torne em uma fonte de descoberta e de prazer, driblando a correria e atribulação da rotina. Os pais buscam sempre o melhor para seus filhos e querem sempre fazer tudo da maneira mais perfeita possível, por isso devem ter cuidado para não exagerar e destruir a naturalidade das vivências do dia a dia, aponta Vera Tschiptschin Francisco. "A experiência pode acontecer independentemente dos pais ficarem se cobrando para proporcionar um experiência transformadora. A vida em si é transformadora". Andar pela rua, observar o cachorro que passa, escutar o canto de um passarinho ou reparar as nuvens se movimentando pelo céu são eventos simples, mas importantes para a criança pequena.
 
2. Desperte a curiosidade
Você pode escolher alguns momentos para participar mais ativamente da ampliação da compreensão de mundo do seu filho, mas não perca a espontaneidade! Ao observar a chuva caindo, por exemplo, oportunidade e faça com que ele perceba o que está acontecendo: "olha, filho, as gotinhas caindo do céu! De onde será que elas vêm?". Incentive que ele desenvolva um pensamento, apoie sua forma de conjecturar e faça com que ele se arrisque a ir além. Devolva a ele as perguntas que ele faz. "O que você acha? Isso o lembra alguma coisa? De onde mais você vê gotinhas de água caindo?" Comemore com ele cada nova descoberta.
 
3. Transforme um passeio simples em algo especial
Ele aprende pelos sentidos. Ver, ouvir, cheirar, tocar e provar provocam conhecimentos e aprendizagem. Mas você pode reforçar ocasionalmente. Por exemplo: você pode dar a um passeio ao mercado o status de um exercício de integração sensorial. Porém, escolha um dia em que você está com tempo e energia para isso. Chame a atenção do seu filho sobre tudo que ele está vendo: o ambiente, as pessoas, os animais. Pergunte a ele que sons estão ouvindo: vozes, músicas, carrinho de compras sendo empurrados. Investigue com ele sobre cheiros e aromas que estão sentindo. Estimule-o a tocar nas embalagens frias e nas texturas diferentes das frutas. Permita que ele experimente novos sabores, como uma fatia de queijo cortada na hora no balcão de laticínios. O desafio de hoje é que isso seja vivido de uma maneira simples, natural e espontânea.
 
4. Relembre as experiências vividas no dia
Antes de dormir, converse com ele sobre o dia que tiveram, onde foram hoje, o que viram lá e o que descobriram. Sônia Madi lembra também como é importante dar espaço para a criança construir o contar. Ao contar e recontar um acontecimento, a experiência é construída no pensamento e, com isso há a construção de memória, baseada em fatos, situações e datas. Dessa forma, a história da própria criança vai sendo construída.
 
5. Fortaleça a relação de confiança entre vocês
A sua experiência é o modelo mais próximo que se seu filho tem da forma ideal de se interagir com o mundo ao redor. Ele confia em você e fará como você faz. "A maternidade é uma oportunidade, quase um convite, que surge para as famílias reverem atitudes, formas de agir e valores" explica Vera Tschiptschin Francisco. Você passa para seu filho muito mais o que ele vê e sente do que o que ele ouve. Por isso, não dá para de planejar e controlar tudo que você transmite a ele. Por exemplo, quando se exaltar por qualquer motivo, falar alto, reclamar de alguma coisa e perceber isso, explique a ele. "A mamãe ficou nervosa, porque o motorista do ônibus não parou, apesar do sinal que eu fiz e isso me deixou brava. Mas já passou!"
 


Postado em 24/02/2015


Notre Dame
+ Notícias

atendimento
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3579 1212
Unidade I - Av. Pres. Wilson, 278/288 - Itararé
Unidade II - Rua Pero Corrêa, 526 - Itararé
Unidade III - Cel. Pinto Novaes, 34 - Itararé